HOME Turismo Folguedos Sumulas & Leis Novos Autores Voluntários Fale Conosco COLUNISTAS CONTRIBUA

Gazeta Valeparaibana

"Analfabeto não é aquele que não aprendeu a ler. Analfabeto é aquele que aprendeu a

ler e não lê."

Mário Quintana

Onde estamos: São José dos Campos - SP - Brasil

Intolerância e ódio até quando?

 

Neste mês de Março, houve mais um atentado terrorista para ficar registrado na história da humanidade. Mas dessa vez, houve uma diferença.

Antes, os terroristas eram associados ao Islamismo, que estereotipou os muçulmanos de forma negativa pelo mundo. Dessa vez, os muçulmanos são as vítimas do atentado terrorista e o autor não é muçulmano. O australiano de extrema-direita Breton Tarrant é responsável pela morte de 49 pessoas na cidade de Christchurch, na Nova Zelândia. A Austrália e a Nova Zelândia são dois países distintos, e o Breton Tarrant foi querer impor a sua opinião política em outro país que não é o seu.  Em um manifesto de 73 páginas publicado na internet, ele fez menção ao Brasil de forma negativa, criticado a diversidade racial brasileira. Um possível perdedor sociopata com ideologia de extrema-direita, que põe a culpa dos seus possíveis fracassos pessoais nos imigrantes que buscam vida melhor em países mais desenvolvidos.

Para começo de conversa, os habitantes humanos originais da Austrália são os aborígenes e os da Nova Zelândia são os polinésios maoris. Os brancos são imigrantes ou descendentes de imigrantes e colonos europeus. E a própria Grã-Bretanha, colonizadora da Austrália e da Nova Zelândia, recebeu imigrantes a mais de mil anos atrás. Os habitantes originais eram celtas. Até que vieram os romanos, depois vieram os saxões, anglos, jutos e vikings. Ou seja, os próprios anglo-saxões são descendentes de imigrantes, na atual Inglaterra.

Também a questão da religião e fé, por que as pessoas não podem ter a suas crenças e poderem ficar sossegadas? Por que o cristão não pode ser cristão em paz? Por que o muçulmano não pode ser muçulmano em paz? O mesmo para os adeptos das demais formas de crenças em entes espirituais ou sobrenaturais. Por que os ateus não podem ser ateus em paz? Por que a religião é usada como pretexto para conflitos? Por que as pessoas não conseguem ter divergências de opiniões e conviverem em paz entre si? Por que optar pela agressividade, pela violência? Por que tanta dificuldade para resolver divergências através de diálogo e respeito? É desanimador testemunhar tanta má vontade por parte de pessoas de se relacionarem em paz.

João Paulo E. Barros

Informar para educar - Educar para formar - Formar para transformar

PRIVACIDADE

TODOS OS DIRETITOS RESERVADOS GAZETAVALEPARAIBANA-2007